Quase Nada Sobre Quase Tudo

segunda-feira, novembro 20, 2006

Li num só dia (é impossível largar o livro!) ¨Sayonara, Gangsters¨ do japonês Genichiro Takahashi.
O livro conta a vida insana de um professor de poesia, alterada da noite para o dia e para sempre por um grupo terrorista denominado OS GANGSTERS.
¨Sayonara, Gangsters¨ é uma obra literária pós-moderna única, mas que me fez lembrar muito de ¨PanAmérica¨ do nosso José Agrippino de Paula.

Um livro que faz nossos neurônios darem cambalhotas!
Trecho:
¨Eu e esse cara estávamos de pé no meio do corredor da escola.

De pé diante de mim, o professor de história perguntou:

— Diga-me, garoto, você realmente tem certeza de que o descobridor da América em 1492 foi Babe Ruth?

— Não — eu respondi. — Desculpe meu erro, mestre. Foi Marlon Brando.

— Permaneça de pé por mais uma hora — o professor ordenou.
O professor de história parou diante desse cara.

— Você realmente acha que o livro que a rainha Elizabeth I pediu a Shakespeare para escrever em 1598 era Emmanuelle? — ele indagou.

— Hum — esse cara gemeu e, de braços cruzados por algum tempo, permaneceu pensativo. Então esse cara inesperadamente abriu um pequeno sorriso, indo sussurrar algo ao pé do ouvido do professor.

— Permaneça aí até amanhã de manhã — o professor ordenou.
Esse cara despendeu de pé, no corredor da escola, alguns anos valiosos daquele período difícil da vida.

À semelhança de um judeu que finalmente chega à Terra Prometida, nem um pé-de-cabra o tiraria de sua posição no corredor.

Mesmo no dia de minha formatura, esse cara continuava de pé no corredor, dirigindo-se de modo divertido aos professores e alunos que passavam diante dele: — Vejam, eu sou um corredor.
— Adeus — eu disse ao me despedir dele.

Sofri ao me formar por ter que deixar esse cara para trás, sozinho no corredor.

— Não esquenta com isso — esse cara me disse. — Descobri que sou um corredor. Saiba que ser um corredor é algo muito positivo. Ei, escuta… tem uma coisa que eu, na qualidade de corredor, gostaria de lhe dizer. Você leva jeito para poeta. Estou certo disso num sentido bem “corredorístico”, você sabe.

Eu concentrava toda a força de meu corpo nos olhos, a contemplar esse cara.

Naquele momento já era praticamente impossível distingui-lo do corredor e, por isso, bastaria relaxar um pouco os sentidos para não poder mais perceber a diferença entre os dois.

— Você acha que eu tenho tino para poesia?

Esse cara emitiu um guincho.

— Existem muitos tipos de corredor! — ele gritou.

Ele parecia já não entender mais o que eu falava.

— A maioria dos corredores é reta, mas ao virarem, sempre o fazem em ângulos retos.

O corredor emitia guinchos quando era pisado.

— Andar pelo corredor de ponta-cabeça: a isso se denomina teto. Por isso, o teto é também um corredor. Se andarmos pelo teto, certamente ele emitirá guinchos.

Eu disse “adeus” ao corredor que não parava de guinchar.

Dessa forma tomei conhecimento de que eu era poeta¨.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

 


eXTReMe Tracker